educaçãoFlash

Estudante do Atendimento Domiciliar conquista o 1º lugar na modalidade de cotas para pessoas com deficiência no curso de Física da Ufa

0

Agência de Notícias do Acre

Maria de Jesus Balbino Macena, de 22 anos, estudante do Atendimento Pedagógico Domiciliar disponibilizado pelo governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esportes (SEE), encarou as dificuldades sem desânimo e o resultado do seu esforço veio em forma de aprovação em 1º lugar no curso de Licenciatura em Física da Universidade Federal do Acre (Ufac), na modalidade de cotas para pessoas com deficiência.

Maria de Jesus na companhia da pedagoga Clarice Oliveira e de sua professora Luciany Oliveira. Foto: Clícia Araújo/SEE

As comemorações vieram em dose dupla, pois além de Maria ter sido aprovada na Ufac, também conseguiu classificação para o cadastro de reserva no curso de Licenciatura em Matemática do Instituto Federal do Acre (Ifac).

Natural de Pauini (AM) e moradora de Rio Branco, Maria de Jesus é cadeirante, foi diagnosticada com poliomielite na infância, enfermidade que a deixou com sequelas como atrofia muscular, fortes dores na cabeça, pescoço, coluna cervical e articulações, bem como sequelas na coordenação motora.

Há quatro anos desenvolveu ceratocone, doença ocular que deixa a visão desfocada e com sensibilidade à luz. A jovem afirma que esse foi o maior obstáculo enfrentado durante toda a vida escolar, pois tem dificuldade para ler, que considera a atividade mais prazerosa.

Ainda que sem coordenação motora para escrever, na leitura foi sempre uma das melhores da turma, e gostava de ir para a escola e interagir com os colegas. Entretanto, sentia-se muito perturbada com o barulho em sala de aula e por ter baixa imunidade, sendo que em 2019 precisou do apoio do Atendimento Pedagógico Domiciliar da SEE, direcionado para estudantes com problemas de saúde que os impedem de ir à escola.

A estudante passou por uma cirurgia no olho esquerdo recentemente, o que melhorou um pouco a visão, mas, segundo os médicos, o olho direito não se recupera com uma simples intervenção cirúrgica, é caso para transplante.

Apesar das dificuldades, Maria sempre batalhou por seus sonhos e seu esforço e determinação são vistos com orgulho pelos familiares, amigos e, principalmente, por sua professora Luciany Oliveira, do Atendimento Domiciliar, que a acompanhou e incentivou durante toda a preparação para o exame.

Mesmo com o problema de visão, aproveitava o silêncio da noite, enquanto todos dormiam, para acessar a internet no seu celular, já que não possui computador, e pesquisar os conteúdos referentes ao Enem. Era o melhor horário que encontrava para se concentrar nos estudos.

A aluna agradece também o auxílio e paciência das professoras Ellen Carol Santos, Viviane Câmara, Raquel Ferreira e Gerciney Barros, que a acompanharam  no Atendimento Domiciliar durante todo o ensino médio, realizado na Escola Estadual Professor Pedro Martinello.

“Foi um trabalho que adorei fazer, me identifiquei muito. Antes da pandemia eu vinha à casa dela deixar as atividades e resolvia tudo com ela. Depois o atendimento passou a ser por videochamadas, mas antes eu ligava e perguntava se ela estava disposta e sem dor na cabeça”, relatou Luciany.

A mãe de Maria de Jesus, a dona de casa Maria Antônia Balbino, tem mais quatro filhos e se orgulha da jovem que, apesar dos problemas, desde criança se dedica muito aos estudos. Maria Antônia lamenta não poder comprar uma cadeira motorizada para facilitar a locomoção da filha.

Superação

Apesar de todo tipo de dificuldade que já enfrentou na vida, Maria tem uma história de superação nos estudos e desistir nunca foi uma hipótese. É a primeira da família a entrar na universidade e trilhar o caminho para exercer uma carreira profissional.

Maria de Jesus não se deixa abater pelos problemas, sempre sorridente, acredita que o conhecimento pode mudar sua história. Foto: Clícia Araújo/SEE

Maria tem em mente que todo esforço vale a pena para concluir a formação e ter melhores perspectivas de emprego, de qualidade de vida e de estabilidade financeira. Por isso está confiante no objetivo de começar a transformar sua história, poder seguir uma carreira e realizar o grande sonho de estudar psicologia futuramente e trabalhar com crianças.

“Eu nunca me vitimizo por ser deficiente. Tem gente que me olha e diz ‘coitadinha dela, tão bonita’. E eu falo logo que sou uma pessoa como outra qualquer, claro que temos nossas limitações, mas eu sorrio, sou feliz, estou viva e tenho que agradecer”, analisa a estudante, que aconselha outros jovens com deficiências a nunca desistirem dos seus sonhos, a acreditar que podem realizá-los.

Mesmo diante das dificuldades, Maria sorri bastante, é muito falante e não reclama de nada. E compartilha a sua receita: “O que se faz com fé, amor e dedicação, tem tudo para dar certo”.

Maria gosta muito de ler, gosta das disciplinas exatas e ainda sonha em ser psicóloga. Foto: Clícia Araújo/SEE

Atendimento Pedagógico Domiciliar

O atendimento domiciliar é legalmente garantido e viabiliza o acompanhamento escolar de crianças e adolescentes. Esses alunos, na maioria, encontram-se em casas de apoio, hospitais ou mesmo nas suas residências, por problemas de saúde que os impeçam de frequentar lugares públicos.

No Acre, o atendimento antes da pandemia era feito por professores que trabalham na rede pública estadual de ensino, quatro vezes por semana, duas horas de aula. Os professores dividem as disciplinas exatas, humanas e linguagens e cada um visitava seu aluno duas vezes por semana.

No início da pandemia, as aulas eram realizadas apenas de modo online, por meio de chamadas de vídeo, depois os professores passaram a entregar as atividades na casa do aluno, mas só orientavam a família ou o aluno a distância. Em 2021 os professores retornaram às aulas na casa do aluno algumas vezes na semana, intercalando com as aulas online.

Procon/Ac realiza fiscalizações e dá início ao Programa Rota da Qualidade 2022 no Vale do Juruá

Previous article

Moradores e entidades discutem ações de defesa da Apa Lago do Amapá

Next article

You may also like

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

More in educação