Colunas

Coluna Acerte no visual

0

A primeira impressão é a que fica?
Por mais que você não concorde a verdade é que a resposta ao título deste texto é, sim! A impressão que formamos sobre uma pessoa no primeiro contato que temos com ela tem um peso enorme na avaliação que fazemos da mesma.

É claro que, com o tempo, nossa opinião sobre alguém vai adquirindo outros contornos, mas, mesmo assim, alguns aspectos da primeira impressão continuam latentes caso a pessoa em questão não faça nada para mudar isso.

Essa leitura superficial nem sempre condiz com a realidade, mas pode prejudicar tanto o outro como a nós mesmos, a depender da reação ou atitude tomada. E por mais que criar esse preconceito leve apenas poucos minutos, desfazê-lo requer tempo e esforço, porque o cérebro vai esperar que essa pessoa se comporte de forma negativa nas próximas vezes.

Um estudo realizado por Bert Decker confirma que o cérebro forma uma primeira impressão sobre a pessoa que conhecemos em apenas dois segundos. Nestes primeiros instantes, o cérebro cria 50% da imagem e será nos próximos 4 minutos que completará o resto de sua ideia sobre a pessoa.

Segundo Eduardo Perin, psiquiatra e especialista em terapia cognitivo-comportamental pelo HC-USP (Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo), a partir do que se vê, ouve e escuta, o órgão cruza informações e estabelece padrões para nos ajudar a compreender o mundo à nossa volta e a nos manter seguros e preparados para nos defender. “A má primeira impressão ocorre quando inconsciente e precipitadamente concluímos que o outro é suspeito”.

Estudos revelam que a leitura que fazemos do outro se baseia em comunicação verbal, vocal e não verbal. Ou seja, o que ouvimos, o tom que ouvimos e o que vemos.
Apenas 7% da primeira impressão está no que você ouve (conhecimento do outro), 38% no tom da voz do outro (daí a importância de se falar numa altura agradável) e 55% em como ela se veste, como ela se porta e qual o seu estilo pessoal (por isso é importante se vestir bem).

Isso nos mostra que por mais que não queiramos ou não concordamos, a imagem pessoal tem mais de 50% de influencia em como somos percebidos pelo outro.

Não se trata de estar vestida com roupas caras, de marca, mas de estar bem vestida. Ou seja, conhecer o seu corpo, seu estilo e assim saber o que melhor lhe favorece.

Além disso, ter elegância ao falar, isto é, falar baixo, não interromper o outro, também tem um peso significativo.

Vivemos em sociedade e precisamos entender que nossa imagem abre portas e também as fecha.
Então, fique a tento e construa uma imagem de elegância e sucesso.

Rachel Moreira Coelho é consultora de cores, imagem e estilo, ajuda mulheres a valorizar seu visual em qualquer situação, independente da idade, do bolso e do tamanho do manequim.
@acertenovisual @rachelmoreiraac

Prefeita Fernanda Hassem entrega à Câmara projeto de Lei que concede abono salarial para educação municipal

Previous article

Master Class: Identidade digital e comunicação afetiva são temas de palestra do IEL/AC

Next article

Comments

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.